Como segurar o bebê? Qual é a melhor posição?

É normal os pais, mesmo aqueles que já tiveram outros filhos, se atrapalharem ao carregar o bebê, na tentativa de confortá-lo na hora do choro.

“O choro é a forma que o bebê tem de se comunicar com o meio externo, ficar atento a todas essas manifestações e reações dele, além de dar aconchego, é o que o pai pode fazer”, diz Rosmaria Pirollo, Gerente de Enfermagem da Pro Matre Paulista.

Ao segurar a criança, é importante posicioná-la de forma que ela esteja sempre confortável. A coordenadora de enfermagem da Pro Matre, Daniela Bonfá Garcia, deu mais orientações, em reportagem do site da revista GQ.

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Essa é uma posição de aconchego e que pode controlar uma possível cólica, por exemplo. O abdômen dele é um pouco comprimido e o calor do pai vai aquecê-lo. Ela deixa o bebê mais contido e seguro. O certo é colocar as mãos nas costas e na cervical.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Sentar com um travesseiro no colo e colocar o bebê com a barriga para baixo é uma posição de conforto para ele descansar ou dormir.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Para um possível engasgo, o pai pode colocar o bebê para baixo, apoiado no braço, inclinar um pouco as pernas e ter certeza que a boca dele fique aberta.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Se o incômodo do bebê for cólica, o pai pode fazer uma flexão da coxa no abdome para que ele consiga eliminar os gases. Além disso, o pai pode fazer movimentos circulares na região abdominal também.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Se o pai quiser colocar o filho no berço, é importante deixar o cobertor de uma forma que o bebê se sinta abraçado e acolhido. Outra posição é deitar o bebê de barriga para cima com a cabeça virada para o lado, que é para evitar engasgo e diminuir o risco de morte súbita.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Apoiar o bebê no braço e virado para cima. Nessa posição é importante manter o contato visual e falar com ele para que se sinta confortável e seguro.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Outra posição de conforto é com o pai sentado e segurando o bebê com os dois braços nas suas costas e cervical. A interação também é importante nessa posição para que o filho se sinta em um ambiente acolhedor e que tem semelhanças às sensações experimentadas dentro do útero materno. Se os pais costumavam colocar música para ele ouvir antes do nascimento, é bom que ele escute depois do parto também, por exemplo.”

Quer saber mais sobre o assunto? Leia a reportagem completa no site da GQ.

Gravidez de gêmeos é uma gestação de risco?

Uma gestação altera o corpo e a vida de uma mulher. Essas mudanças se fazem mais presentes numa gravidez de gêmeos? Quem explica é o Dr. Guilherme Loureiro Fernandes, responsável pelo serviço de Medicina Fetal da Pro Matre Paulista.

“Uma nova gestação é sempre um sinal de esperança e alegria para o casal e seus familiares. A expectativa de um belo futuro, do espírito da maternidade é algo que permeia a emoção de toda gestantes. Quantas vezes não ouvimos delas ‘doutor, tomara que sejam gêmeos’, e nessa hora pensamos, ‘mal sabe ela dos riscos’”, analisa.

Sobre esses riscos, o especialista explica: “diante de uma gestação gemelar, devemos de imediato classificar se a gravidez é de um ou de duas placentas.” Essa confirmação deve ser feita por ultrassom, diz o médico, “de preferência realizado por um serviço especializado em Medicina Fetal, bem como todo o acompanhamento da gravidez, até o parto”.

Independente do número de placentas, a gravidez de gêmeos é considerada de risco, principalmente de prematuridade, afirma Dr. Guilherme. “Quanto mais fetos, maiores são os riscos”.

“A gestação monocoriônica, de uma placenta, apresenta possibilidade de desenvolver a Síndrome de Transfusão Feto-Fetal, podendo ser diagnosticada no fim do primeiro trimestre ou até mais tardiamente”, diz. Nestes casos, o especialista recomenda, como há um aumento significativo de risco de morte para o bebê, a cirurgia fetal, realizada com laser, é necessária.

Dr. Guilherme explica que problemas de saúde próprios da gestação de gêmeos com uma placenta podem vir acompanhados de polidrâmnia, alteração relacionada à quantidade de líquido amniótico no útero. Podendo aumentar o risco de trabalho de parto prematuro e amniorexe (rotura prematura de membranas amnióticas).

“Em relação às gestações dicoriônicas, duas placentas, o risco de Síndrome de Transfusão Feto-Fetal não existe,” afirma. “Porém há um aumento de patologias própria de gestações únicas que acontecem ao mesmo tempo, por exemplo, um feto crescer mais que o outro”.

Entretanto, lembra o médico, qualquer que seja o tipo de gestação de gêmeos é necessário acompanhamento especializado, com curto intervalo entre consultas médicas e avaliação ultrassonográfica e hemodinânica. “Pois podem se manifestar doenças clínicas e obstétricas mais frequentes quando comparadas a gestações de fetos únicos, como pré-eclâmpsia, eclâmpsia, diabetes e o maior risco de prematuridade. Bem como redução do colo uterino, algo muito frequente, que necessita de ferramentas terapêuticas como o uso vaginal de progesterona natural micronizada.”

Dr. Guilherme reforça: “a gemelaridade muda a condução do pré-natal tanto para o obstetra como para a gestante e seus familiares”. O especialista adverte que o sucesso na gravidez de gêmeos depende muito da conscientização da família para os riscos à mãe e aos bebês.

Megacólon Congênito? O que é?

Um problema no intestino grosso que atinge aproximadamente 1 para cada 5 mil recém-nascidos. A neonatologista da Pro Matre Paulista Dra. Mônica Carceles explica melhor o que é o Megacólon Congênito.

“É uma dilatação do intestino grosso causada por uma falha de inervação. A área em que está localizada essa falha não relaxa para a passagem das fezes e gera uma obstrução intestinal”, descreve a médica.

“O principal sintoma é a demora para evacuar nos dois primeiros dias de vida, mas depende muito da extensão e da localização da falha”, conta. “Quando uma área pequena do intestino é afetada, os sintomas são mais leves e o diagnóstico pode ser mais fácil”.

Quando o bebê apresenta os sintomas, o médico pode pedir uma biópsia do intestino para fazer o diagnóstico. Não é possível detectar o problema antes do nascimento, durante a gestação.

Mas é possível diferenciar a doença de uma prisão de ventre normal? “No Megacólon, a obstipação intestinal é muito grave, havendo grande distensão do abdome. Em geral, o bebê não consegue evacuar sem que seja feita uma lavagem intestinal”, responde a especialista. “As manifestações da doença são precoces, aparecendo nos primeiros dias de vida”.

O Megacólon Congênito tem cura? Tem tratamento? “O tratamento é cirúrgico”, explica Dra. Mônica, “com a retirada da parte afetada do intestino. O bom resultado depende da intensidade da alteração”. A cirurgia pode ser feita já no período neonatal, dependendo de quando for feito o diagnóstico e da gravidade.

Cheguei às 30 semanas de gestação. E agora?

As 30 semanas de gestação indicam que a mãe já está na reta final para o nascimento do bebê. O que ocorre com o corpo da mulher nesta fase? Como está o bebê? Quais os preparativos que a mãe deve fazer nesta etapa?

Quem responde a estas e outras dúvidas comuns das gestantes é o obstetra Dr. Alberto D’Auria, da Pro Matre Paulista.

“Com 30 semanas de gestação podemos falar em sete meses, um feto com 35 cm, já em fase final de formação”, descreve o médico.

“Os pulmões do bebê ainda são imaturos, mas seus movimentos são mais vigorosos, pois sua musculatura já tem força para chute e alongamentos dos membros superiores e inferiores”, explica.

O especialista também explica quais os exames feitos neste período. “Fazemos um último ultrassom, com dopplerfluxometria colorida. A partir de 35 semanas vamos fazer a cultura da secreção vaginal e no ânus da gestante para estreptococos. Algumas mulheres têm essa bactéria como flora ativa dessa região e portanto serão submetidas a antibióticos no momento do parto, protegendo o bebê”.

Quanto aos preparativos, Dr. D’Auria orienta que, com 30 semanas o “ninho” em casa já deve estar pronto. Todo o planejamento para o nascimento do bebê já deve estar feito nesta fase. “Já estamos olhando para o momento do parto”, afirma.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 3,00 out of 5)

Excesso de ácido fólico pode aumentar o risco de autismo no bebê?

Um estudo recente, realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, nos EUA, indica que o excesso de vitamina B9 (ácido fólico), pode aumentar em duas vezes o risco de autismo nas crianças.

Para orientações às mães, buscamos informações a respeito com o Dr. Alberto D’Auria, obstetra da Pro Matre Paulista.

“A reserva de ácido fólico é de extrema importância para a saúde do feto”, alerta o médico. “Há alguns anos, quando implantamos essa rotina de ingestão de ácido fólico pré-natal, 5 mg foi a dose escolhida para esse cuidado”.

“Depois baixamos para 2 mg por dia, deixando alguns casos especiais com dose de 5 mg diárias”, conta.

“Existe hoje a tendência em deixar a dose em 400 mcg, ou seja, 0,4 mg por dia, que seria suficiente para proteger as mensagens genéticas na formação do embrião”, explica Dr. D’Auria.

O especialista sugere uma alternativa à vitamina B9, o Metilfolato, forma ativa do ácido fólico. “É melhor pois já está biodisponível, melhorando a absorção desejada”.

O obstetra, no entanto, adverte: “cada caso tem sua especificidade, pensando na idade da paciente, gestação de risco, fertilizações assistidas…” Portanto, é fundamental que a grávida siga a prescrição do médico que acompanha sua gestação.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)

O que é importante na hora da escolha da maternidade?

É sem dúvida uma das principais decisões que a gestante precisa fazer durante a gravidez. A escolha da maternidade envolve muitas questões, objetivas e subjetivas, que farão com que a gestante sinta-se mais segura e protegida na hora do parto.

Dr. Alberto D’Auria, obstetra da Pro Matre Paulista, conversou com a gente sobre o que se passa na cabeça da futura mãe durante esse momento e o que deve ser observado e avaliado durante a busca.

“Quando uma mulher engravida”, diz o médico, “logo em seguida recebe uma quantidade de hormônios que são produzidos na gravidez com o objetivo de proteger a gestação. Ocorre que esse hormônio, ao circular pelo corpo da gestante, faz com que ela imediatamente comece a se preocupar em fazer o ninho para dar à luz”, explica.

Segundo Dr. D’Auria, aí surge uma preocupação instintiva, onde a mãe procura um local que traga a ela o conforto e a sensação de segurança que ela busca.

“Portanto, a maternidade deve ter cores claras, agradáveis e relaxantes, ter segurança ostensiva, além de segurança tecnológica e atendimento médico e de enfermagem que possam dar tranquilidade para a mãe”, exemplifica o obstetra.

Além disso, lembra o especialista, o acesso ao local tem que ser fácil e rápido. A internação e o pronto atendimento têm que possuir uma equipe acolhedora e ágil.

“Uma recepção calorosa no estacionamento da maternidade já inicia um laço carinhoso entre a gestante e a instituição”, ressalta Dr. D’Auria. “Cada detalhe é pensado e implantado de forma a atender e superar tudo o que essa gestante espera para o momento máximo de sua existência”.

A localização – próxima à Avenida Paulista – e sua infraestrutura, com 80 anos de tradição, UTI Neonatal referência, foco em casos de alto complexidade e a acreditação JCI, a principal certificação internacional em segurança e qualidade em assistência à saúde, fazem com que a Pro Matre Paulista preencha todos estes pré-requisitos.

Como colocar o bebê para dormir em segurança?

São muitas as preocupações e dúvidas das mães, em especial as de primeira viagem, com seus bebês recém-nascidos. Uma delas, certamente, é a forma correta de colocar a criança para dormir, de forma segura.

Para orientá-las, buscamos informações com a Dra. Monica Carceles, neonatologista da Pro Matre Paulista.

Ela explica que um dos maiores temores de muitos pais é a Síndrome da Morte Súbita ou Morte do Berço, que, ao contrário do que pode se pensar, não é causada por engasgo e aspiração de leite. No entanto, sua causa não é bem conhecida pela medicina.

Apesar de ser preocupante, a médica tranquiliza dizendo que algumas medidas simples, tomadas em casa, e recomendadas pela  Academia Americana de Pediatria e pela Sociedade Brasileira de Pediatria, “diminuem a incidência desta ocorrência em mais de 60%”.

Orientações para o sono seguro do bebê:

  • Do nascimento até 1 ano de idade, a posição mais segura é de barriga para cima. “Os casos de engasgo e sufocamento por leite não aumentam nesta posição pois os bebês têm mecanismos de defesa quando regurgitam”, explica a especialista;

  • Se o bebê já consegue se virar sozinho, pode ser deixado de lado ou de barriga para baixo, mas sempre o coloque para dormir de barriga para cima;

  • Atenção para a altura do berço e a distância entre as barras das grades, procure pelo selo do Inmetro no produto antes de comprá-lo;

  • Colchão firme e lençol bem preso, para que não solte com os movimentos do bebê;

  • Travesseiro, bichos de pelúcia e demais objetos soltos no berço aumentam a chance de sufocamento e estrangulamento;

  • Não dormir na cama com os pais, mas no próprio berço no quarto com os adultos;

  • Sofás, poltronas ou superfícies muito macias também não são apropriadas para o bebê dormir;

  • Não colocar muitas roupas no recém-nascido. “Eles podem ter um pouco mais de frio que um adulto, mas só um pouquinho,” diz a Dra. Monica;

  • Se for cobrir o bebê use um cobertor preso nas laterais do colchão e o coloque por baixo dos braços da criança, para não cobrir seu rosto;

  • O leite materno também protege contra a Síndrome da Morte Súbita;

  • Nada de cigarros ou fumaça de cigarros durante a gravidez ou perto do bebê;

  • Siga rigorosamente o calendário de vacinação;

  • Exercite o bebê durante o dia. “Coloque-o em sua cama, de barriga para baixo, movimentando a cabeça para cima e para os lados – é bom para o desenvolvimento neurológico e evita que a cabeça fique deformada na parte de trás por ficar sempre de barriga para cima. Estes movimentos de barriga para baixo devem ser sempre supervisionados por você ou por outro adulto”, recomenda a neonatologista;

  • Repasse essas orientações a todos que forem cuidar do seu bebê (pai, parentes, amigos, babás, etc).

E a Caixa Finlandesa? É uma boa opção?

A caixa – um kit de maternidade com enxoval, em que a própria embalagem é utilizada como berço, dado a todas as gestantes finlandesas pelo governo do país – “é usada na Finlândia há décadas e a queda da mortalidade infantil observada naquele país deve-se, provavelmente, à evolução da medicina e ao conjunto de medidas tomadas em relação à higiene, vacinação, nutrição e acompanhamento da gestação e do parto”, explica Dra. Monica, que ressalta que não existem trabalhos científicos confiáveis relacionando o uso das caixas para dormir e a queda dos casos de Síndrome da Morte Súbita.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 4,00 out of 5)

Amamentação na UTI Neo: aleitamento para prematuros

Muita gente não sabe que é possível que a mãe amamente seu bebê, mesmo quando ele é prematuro e se encontra na UTI Neonatal.

Por isso, a Dra. Edinéia V. Lima, neonatologista e chefe responsável pela UTI Neo da Pro Matre Paulista, explica como a amamentação ocorre nestes casos.

“A amamentação dos prematuros deve ser estimulada desde o início,” ressalta a médica, “já na primeira ou segunda visita da mãe ao seu bebê na UTI, o tema deverá ser abordado.”

Mas não são todas as mães que podem amamentar diretamente a criança internada. “Muitas vezes e por diversas razões, a amamentação efetivamente não pode ser iniciada entre a mãe e seu bebê prematuro. Mas devemos estimular a mãe a procurar o lactário e orientar que ela irá poder coletar o seu leite e armazená-lo até o bebê poder começar a receber esse leite,” explica. “Em algum momento o bebê vai começar a mamar e aí ela vai efetivamente iniciar a amamentação”.

A amamentação, a neonatologista lembra, ajuda no desenvolvimento da criança e é recomendada sempre que o bebê prematuro esteja apto do ponto de vista clínico.

“Temos muitos casos de bebês extremamente prematuros e que começam a amamentação após 1 mês de UTI, quando já estão com peso (maior que 1500g) e idade gestacional compatível para começar a sugar (por volta da 34ª semana)”, esclarece.

O contato corpo a corpo com a mãe, importantíssimo, pode ocorrer mesmo antes da amamentação, conta Dra. Edinéia, com o bebê fazendo o método canguru e iniciando esse processo de vínculo afetivo fora do corpo da mãe.

“É muito gratificante para nós, da UTI, ver esses bebês saindo em aleitamento materno, após terem permanecido 2 a 3 meses na nossa unidade!” diz a médica. “Temos uma taxa alta de aleitamento materno e esclarecemos a elas – mães – o quanto é importante que o bebê prematuro receba o leite materno e que saia sugando no seio”.

Mês da Amamentação – Conheça o Lactário Pro Matre

O banco de leite humano da Pro Matre Paulista é voltado para o atendimento das mães que tiveram seus filhos na maternidade e que precisam ficar internados na UTI neonatal. “Geralmente são bebês prematuros, de baixo peso ou com necessidades clínicas de internação,” diz Maria Mercedes Sakagawa, nutricionista coordenadora do Lactário da Pro Matre.

Ela conta que, mesmo considerando que a lactação faça parte da natureza da mãe após o parto, algumas não conseguem estabelecer uma produção de acordo com a necessidade de seu filho.

Por isso, descreve a especialista, junto ao Lactário, há uma sala para atendimento às mães, “onde recebem orientações sobre a importância da coleta de leite para o seu filho, cuidados com a mama, técnica adequada para garantir a segurança do produto e, quando a coleta é domiciliar, a guarda e transporte”.

A tecnologia se faz presente e é fundamental, conforme explica Mercedes: “o leite retirado é pasteurizado com técnicas adequadas, microbiologicamente seguras e com indicação de seu valor calórico, acidez, maturidade (colostro, transição e maduro)”.

O Lactário tem um papel fundamental no estímulo ao aleitamento materno, avalia a nutricionista, “pois mesmo que a criança, devido à sua prematuridade, não tenha estabelecido a sucção direto na mama, vai receber – o leite materno – por outras vias”.

Açúcar natural do leite materno age contra infecções

dra monica carceles

De acordo com um estudo recente publicado por pesquisadores da Universidade de Vanderbilt, EUA, os benefícios do aleitamento para o bebê são ainda maiores.

Os cientistas analisaram a propriedade antibacteriana natural do açúcar presente no leite materno, que pode combater infecções sem os efeitos colaterais dos medicamentos.

A pediatra neonatologista da Pro Matre Paulista, Dra. Monica Carceles, falou a respeito da importância da amamentação em reportagem para o Jornal da Band.

“Quanto mais as crianças mamam no seio, com pelo menos seis meses de aleitamento exclusivo, menor o número de infecções, de internações e cai também a mortalidade infantil,” explicou a médica.

Para saber mais sobre o assunto, clique aqui e assista ao vídeo com a reportagem no site do Jornal da Band.