Mulher grávida não pode fazer exercícios?

Voltar à forma física antes do parto não é uma tarefa que acontece de um dia para o outro. “Tudo começa no pré-natal, procurando manter uma alimentação equilibrada e uma atividade física constante, desde que não estejamos diante de uma gravidez de risco”, esclarece Dr. Mauro Grynszpan, obstetra da Pro Matre Paulista.

Mulheres que já praticam exercícios físicos antes de engravidar devem manter essa atividade durante a gravidez, no entanto devem ter cuidados especiais. Antes de qualquer coisa, é preciso consultar um médico para que ele avalie o risco dessa prática para a saúde do bebê. Se essas mulheres não mantiverem o hábito de praticar  uma atividade física, elas correm o risco de engordar mais do que deveriam.

Procure evitar atividades menos localizadas no abdome e modalidades de alto impacto, como vôlei, basquete, corrida com velocidade, entre outros. “Caminhadas ao ar livre, esteira, hidroginástica, musculação leve para membros superiores e inferiores não só estão liberados como são recomendáveis”, aconselha.

Para ter uma ideia do ganho de peso ideal na gestação, basta aplicar a seguinte fórmula: 6 quilos + 5% do peso da mulher antes de engravidar. Lembre-se: a atividade física sempre deve ser acompanhada por uma dieta saudável e balanceada.

Gestante não pode conviver com gatos: mito ou verdade?

Mito! Grávidas podem manter seus bichinhos de estimação, desde que tenha cuidados redobrados. O parasita responsável pela infecção por toxoplasmose pode ser transmitido pelo contato com as fezes de gatos, mas isso não significa que o animal precise ficar isolado. Basta que a gestante não mexa ou limpe as fezes dos gatos.

Caso não tenha a possibilidade de delegar esta tarefa a outra pessoa, a gestantes deve utilizar luvas descartáveis para manipular urina, fezes e secreções do animal. Vale destacar que outros animais domésticos, como os cães, não transmitem o parasita.

Dra. Rosana Richtmann, infectologista da Pro Matre Paulista, dá algumas orientações:

• Cuide da alimentação dos gatos, oferecendo ração em vez de carnes cruas ou mal cozidas, contribuindo para que ele não contraia o parasita.
• Evite que o gato saia de casa, alimentando-se onde não há esse controle.
• Limpe muito bem o local onde ele deposita suas fezes.
• O parasita da toxoplasmose pode ser levado pelas correntes de ar pela casa, depositando-se em frutas, verduras e legumes, que devem ser muito bem lavados antes do consumo

Azia durante a gravidez é sinal de bebê cabeludo: mito ou verdade?

Esse é um dos mitos inexplicáveis relacionados à gestação. Não tem nada a ver! Algumas mulheres têm azia durante a gestação simplesmente como efeito dos hormônios da própria gravidez, que podem irritar o estômago. Já no final da gestação, as dificuldades de digestão costumam estar associadas à pressão exercida pelo útero dilatado sobre os órgãos do abdome – estômago entre eles.

Para evitar a azia na gestação, é importante que a mulher adote uma alimentação mais leve, de preferência sem frituras e alimentos pesados. Outra boa medida é fracionar as refeições, alimentando-se de três em três horas, em poucas quantidades.

Gêmeos têm mais chance de nascer prematuros: mito ou verdade?

É verdade. O risco de prematuridade é, efetivamente, aumentado  nas gestações múltiplas. Na série “Gêmeos”, Dra. Edinéia Vaciloto Lima, neonatologista coordenadora da UTI Neonatal da Pro Matre Paulista, esclarece importantes aspectos desse tipo de gravidez. O conteúdo desta série foi publicado originalmente no Anuário Caras do Bebê, com informações de profissionais da Pro Matre.

Não há grandes complicações associadas à ocorrência de gêmeos. O maior desafio desses bebês é, na maioria das vezes, ganhar peso. Por isso, é comum que eles fiquem internados por um tempo maior. Somam-se a essa complicação a imaturidade pulmonar e a dificuldade de sucção.

Durante a internação, o principal instrumento contra a imaturidade é o próprio aleitamento materno. “Quando ainda são muito pequenos e não têm condição de sugar, os prematuros são alimentados na UTI com o leite da mãe por meio de uma técnica que utiliza copinhos, com o intuito de estimular o aleitamento materno exclusivo”, completa a neonatologista.

Inalação: medidas preventivas

Você provavelmente já ouviu falar sobre inalação. Ela é uma técnica muito conhecida e  essencial contra as infecções das vias aéreas. Na série desta semana, descobrimos como driblar as dificuldades e conhecer os benefícios da técnica. O conteúdo desta série foi publicado originalmente no Anuário Caras do Bebê, com informações de profissionais da Pro Matre Paulista.

Medidas preventivas, como evitar choques térmicos e aglomerações em locais fechados, especialmente com grande quantidade de crianças, podem minimizar esse transtorno. “Outra medida preventiva é manter sempre as narinas bem higienizadas, com soro fisiológico e, nos dias mais secos, utilizar umidificadores de ar ou uma bacia com água no quarto da criança durante a noite”, comenta Dra. Debora Manzione Passos, da Pro Matre Paulista

Ainda na linha da prevenção, é importante alertar os pais quanto à importância de vacinar seus filhos contra a gripe, a partir de março, pois essa vacina, produzida anualmente, é uma poderosa arma para começar melhor a batalha contra as infecções.

Inalação: a criança pode fazer dormindo

A inalação é uma técnica muito conhecida entre os pais, além de ser essencial contra as infecções das vias aéreas. Na série desta semana, estamos descobrindo como driblar as dificuldades e conhecer os benefícios da técnica.

Para muitos pais, falar em inalação é evocar a imagem do estresse, com crianças assustadas por aquele aparelho de onde sai fumaça. Esperar a criança dormir e fazer a inalação pode ser uma alternativa. “O ideal é fazer a inalação com a criança sentada, aproveitando para realizar também a tapotagem, batendo levemente a mão, em forma de concha, nas costas da criança, para permitir a mobilização da secreção”, ensina a neonatologista Débora Manzione Passos.

Inalação: os broncodilatadores

A inalação é uma técnica muito conhecida pelas mamães e essencial contra as infecções das vias aéreas. Na série desta semana, estamos descobrindo como driblar as dificuldades e conhecer os benefícios da técnica. O conteúdo original desta série foi publicado no Anuário Caras do Bebê, com informações dos profissionais da Pro Matre Paulista.

Nos últimos anos, uma nova técnica para administração de broncodilatadores tem sido utilizada: os espaçadores. Esses equipamentos possibilitam que a inalação do remédio seja realizada de forma mais rápida e eficaz. O espaçador é indicado quando a criança apresenta broncoespasmo, mas se houver muita secreção pulmonar, a inalação com soro fisiológico tem uma ação fluidificante melhor. “Desta forma, a inalação permanece indicada para fluidificar secreções e os espaçadores apenas para a aplicação de broncodilatadores e corticoides inalatórios. Muitas vezes, até associamos as duas coisas”, diferencia a neonatologista Débora Manzione Passos.

Inalação: a desobstrução do nariz

A inalação é uma técnica essencial contra as infecções das vias aéreas. Na série desta semana, estamos descobrindo como driblar as dificuldades e conhecer os benefícios da técnica. As informações e o conteúdo original desta série foram publicados no Anuário Caras do Bebê, produzido por profissionais da Pro Matre Paulista.

Ontem, vimos os principais problemas que podem ser tratados com inalação: espirros, tosses, dificuldade de respirar pelo nariz e, em alguns casos mais severos, como asma e bronquite aguda, os desagradáveis broncoespasmos, que fazem a criança “chiar” quando respira.

O recurso da inalação continua sendo um importante aliado no tratamento desses quadros. Segundo a médica Débora Manzione Passos, a inalação com soro fisiológico promove a fluidificação da secreção, desobstruindo o nariz e permitindo uma respiração mais confortável. Nos casos mais severos, como asma e bronquite, apenas o soro não é suficiente, sendo prescrito o uso de broncodilatadores. “Esses medicamentos são específicos para as vias aéreas inferiores – bronquíolos e alvéolos – que são responsáveis pela troca gasosa e oxigenação do sangue, e só podem ser usados sob orientação médica.”, explica a neonatologista Débora Manzione Passos.

Inalação: os benefícios da técnica

A inalação continua sendo essencial no tratamento das infecções de vias aéreas. Na série desta semana, vamos descobrir como driblar as dificuldades e conhecer os benefícios da técnica.

Crianças costumam ficar sujeitas a infecções virais e bacterianas de vias aéreas. Toda mamãe sabe muito bem disso. Costumam ser mais frequentes no tempo frio e seco, com a tendência ao confinamento em locais fechados e aos “choques térmicos” que ocorrem quando a temperatura do corpo é muito diferente da do ambiente, mas também podem acontecer em outras épocas do ano.

O quadro é sempre o mesmo: espirros, tosses, dificuldade de respirar pelo nariz e, em alguns casos mais severos, como asma e bronquite aguda, os desagradáveis broncoespasmos, que fazem a criança “chiar” quando respira. “O tempo seco é outro inimigo, pela suspensão de partículas no ar, que disseminam ainda mais os germes e aumentam as ocorrências em consultórios e pronto-socorros”, comenta a neonatologista Débora Manzione Passos.

Congelamento de óvulos: os benefícios

Na série desta semana, vimos tudo sobre uma das técnicas que ajudam as futuras mamães a adiarem seus sonhos com mais segurança: o congelamento de óvulos. Os benefícios, como funcionam e o que trazem às futuras mamães que tem dificuldades para realizar o sonho de ter um filho.

Esta técnica somente traz benefícios, pois ajuda aqueles que querem incluir o filho no planejamento de futuro, além das futuras mamães e papais que têm problemas de fertilidade. O caso mais usual é o de mulheres que querem ter filhos em uma idade mais avançada, e a técnica pode driblar as dificuldades que o ginecologista e obstetra Geraldo Caldeira, especialista em Reprodução Assistida, lembrou no início da série:  “Aos 35 anos, o risco de conceber uma criança com algum tipo de síndrome genética é de 5%. De 35 a 40 anos, cresce para 15% e, acima dos 40, ultrapassa os 30%”.