Chegando em casa com o bebê. E agora?

Depois de meses de espera – e de expectativa – chega finalmente o momento de levar o bebê para casa e iniciar a incomparável experiência de criar um filho. E é justamente nesse momento que muitas dúvidas aparecem para mamães e papais. Mais do que isso: muito do que se acreditava como certo, algum tempo atrás, hoje já não é aceito como mais adequado nos cuidados do bebê.

O que fazer?

Para ajudar nesse momento, a Pro Matre Paulista organizou nesta segunda-feira a mesa redonda “Chegando em casa com o bebê. E agora?”, com a participação de profissionais da instituição e também blogueiras que aceitaram o convite para compartilhar suas experiências com os participantes.

A neonatologista Dra. Monica Carceles, da Pro Matre Paulista, abriu o encontro falando sobre a posição ideal para o bebê dormir e a orientação de que o bebê durma no quarto dos pais até os seis meses de idade, medidas indicadas para evitar a chamada Síndrome da Morte Súbita. A enfermeira Rosmaria Pirollo, gerente de enfermagem da Pro Matre, abordou os cuidados com o coto umbilical e deu orientações sobre o banho do bebê.

Também da equipe da Pro Matre Paulista, a psicóloga Mariana Bonsaver levou informações sobre depressão pós-parto e analisou o choro do bebê e por que ele deve ser atendido assim que possível. O encontro também contou com as participações das blogueiras Babi Sabbag, Karen Bussacarani, Rubia Baricelli, além de Henrique Tomaz, que levou a experiência de pai ao debate.

Acompanhe, aqui mesmo no blog, dicas compartilhadas durante o encontro, nas próximas postagens.

Pro Matre Paulista, 80 anos: conte sua história

A Pro Matre Paulista está completando 80 anos. Nesse longo período, presenciamos histórias emocionantes que ajudaram a fazer da instituição a maternidade mais querida de São Paulo.

Você pode conhecer algumas dessas histórias aqui.

Você também pode participar e contar a sua história: escreva o seu relato, poste com #MinhaHistóriaComAProMatre e publique no seu perfil no Facebook ou nos comentários na nossa página.

Gestante deve redobrar os cuidados com a pele no Verão: mito ou verdade?

Verdade. O Verão está chegando e, com ele, os cuidados com a pele devem ser ainda maiores. E isso deve ser observado ainda com mais atenção pelas gestantes. A dermatologista da Pro Matre Paulista, Dra. Flavia Ravelli, oferece uma série de dicas para grávidas, com foco nesta época do ano.

Acesse o canal da Pro Matre Paulista no YouTube e acompanhe dicas sobre o uso correto do filtro solar, como evitar manchas, cuidados com a oleosidade e muito mais.

Confira!

Prematuros desenvolvem-se mais em contato com a pele: mito ou verdade?

Verdade. Este conceito é a base do “Método Canguru” uma técnica comprovadamente eficaz no desenvolvimento de diversos casos de prematuridade. O método complementa a tecnologia existente e consiste em colocar o bebê em contato com a pele da mãe, do pai ou mesmo da vovó.

A metodologia começou a ser utilizada há 30 anos na Colômbia, por uma equipe do Instituto Materno-Infantil de Bogotá, implantado pelo médico Héctor Martínez. Os motivos do sucesso do método vão além dos aspectos psicológicos. “No colo, a criança fica mais calma, há a troca da flora de bactérias e de anticorpos entre mãe e filho. Melhoram a parte física, o ganho de peso, e o vínculo afetivo”, diz Dra. Edinéia Vaciloto Lima, neonatologista da maternidade Pro Matre Paulista.

O bebê em casa: e agora?

 

A gravidez, planejada ou de surpresa, é um momento de enorme expectativa. Uma das maiores é saber como lidar nos primeiros tempos do bebê em casa. O que vai acontecer? Como vai ser essa nova fase?

Na próxima segunda-feira, 28 de novembro, você vai poder tirar suas dúvidas sobre as primeiras semanas do bebê com um time de especialistas da Pro Matre Paulista e blogueiras convidadas.

Inscreva-se agora mesmo para a Mesa Redonda “Chegando em casa com o bebê. E agora?”, as vagas são limitadas: acesse!

Corte da cesárea deve ser limpo apenas com água e sabão: mito ou verdade?

Verdade. Mulheres que passaram pela cesárea costumam ficar preocupadas com o corte deixado por essa cirurgia. Para evitar complicações, é preciso tomar alguns cuidados simples, mas importantes. A orientação é lavar a cicatriz apenas com água e sabão durante o banho e deixá-la bem seca.

Caso a cicatriz fique muito vermelha, inchada e com secreção, é preciso procurar orientação médica rapidamente, como orienta Dr. Bruno Liberman, obstetra da Pro Matre Paulista.

Uma dúvida muito comum relaciona-se ao surgimento de febre no pós-parto. Isso não está necessariamente relacionado a um quadro infeccioso causado pela cicatriz. Também nesse caso, o importante é buscar orientação médica.

 

 

Toda mulher desenvolve depressão pós-parto: mito ou verdade?

Mito. O período pós-parto pode causar certa angústia em determinadas gestantes, o que sempre traz a ameaça da depressão pós-parto, um problema cada vez mais comum e que afeta todo tipo de mulher. Dr. Bruno Liberman, obstetra da Pro Matre Paulista, explica que toda puérpera passa por um processo complicado de melancolia, mas não necessariamente desenvolve depressão.

“O puerpério é um período turbulento na elaboração de sentimentos, lidando com um ganho único, o nascimento e realizações, misturado com o sentimento de medos e perdas. É um momento de provação, no qual se têm muitas cobranças de si mesma e da sociedade.”

O momento, no entanto, faz parte do quadro e geralmente não demanda o auxílio de um psicólogo. “São raros os casos onde é preciso apelar para medicamentos e psicoterapia. O mais comum são períodos de melancolia e, depois de 40 a 60 dias, melhora”, conclui o obstetra.

No pós-parto, a mulher pode sangrar até por 40 dias: mito ou verdade?

Verdade. Vários cuidados devem ser tomados neste início de vida nova. Dr. Bruno Liberman, obstetra da Pro Matre Paulista, explica o sangramento que ocorre logo após o parto. “A mulher, chamada tecnicamente de puérpera no período pós-parto, sai do Centro Obstétrico com sangramento. Nos primeiros dias, o fluxo é mais intenso e vai progressivamente diminuindo, podendo persistir por até 40 dias. O normal é se estender entre 15 a 20 dias”, diz o médico.

Para as mulheres que passam por um procedimento de cesariana, um cuidado especial deve ser dado ao corte da cirurgia, que pode incomodar bastante nos primeiros dias. “A incisão da cesárea deve sempre ficar limpa. Água e sabonete são o suficiente, já que hoje não se recomenda fechar a incisão. Cada médico, no entanto, tem sua rotina, mas proteger de traumas no pós-operatório, como batidas e quedas, é muito importante”, completa Dr. Bruno.

O obstetra diz, ainda, que como a cesariana é uma cirurgia de grande porte e, normalmente, causa dores, recomenda-se uso de analgésicos e anti-inflamatórios para amenizar a dor por até uma semana.

Gêmeos demoram mais para se desenvolver: mito ou verdade?

Mito. O desenvolvimento de gêmeos (trigêmeos e até quadrigêmeos) está muito vinculado à idade gestacional com que vieram ao mundo. “Os chamados pré-termo tardios (nascidos com mais de 34 semanas) normalmente não demoram a ganhar peso e em poucos meses atingem o desenvolvimento dos bebês nascidos no tempo esperado”, explica Dra. Edinéia Vaciloto Lima, neonatologista da Pro Matre Paulista.

Já os nascidos com menos de 34 semanas de gestação podem demorar mais tempo (até 18 meses de vida) para atingir o padrão normal de peso e comprimento. Entre gêmeos, as diferenças de desenvolvimento também estarão ligadas à idade gestacional, tamanho e peso que eles nascerem, e podem ser diferentes entre os irmãos. 

É possível amamentar gêmeos: mito ou verdade?

Verdade. Ainda que possam necessitar de um período de internação em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, gêmeos podem e devem ser amamentados pela mãe. “No caso dos prematuros nascidos com menos de 34 semanas, o início do aleitamento pode ser um desafio extra, pois muitos deles ainda não são capazes de realizar o movimento de sucção”, acrescenta Dra. Edinéia Vaciloto Lima, da Pro Matre Paulista. A opção, nesse período em UTI Neonatal, é fazer a ordenha do leite da mãe e oferecê-lo aos bebês por meio de uma técnica que utiliza copinhos.

“Aos poucos, os bebês desenvolvem a capacidade de sugar. Estimulá-los, colocando-os no peito da mãe para aprender a mamar, ainda na fase de internação, é uma rotina comum nas maternidades que incentivam o aleitamento materno e atua como facilitador do desenvolvimento dos bebês”, informa a neonatologista.