Da Pro Matre para sua família: Feliz Ano Novo!

Estamos vivendo um momento muito especial na Pro Matre Paulista, pois completamos 80 anos. Nossa maternidade é a mais tradicional da cidade de São Paulo, algo que nos enche de orgulho, mas ainda mais importante que isso é saber que continuamos fazendo parte dos momentos mais inesquecíveis para tantas famílias.

Cada novo ano que se inicia tem um significado muito parecido com um nascimento. As esperanças se renovam, novos planos são traçados, tudo parece mais positivo. Sorte nossa que testemunhamos essa renovação todos os dias, na nossa instituição.

E esperamos que esse sentimento também faça parte dos seus dias neste novo ano. E temos quase a certeza de que isso vai acontecer, porque um bebê na família é sempre certeza de alegria e renovação.

Feliz 2017!

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)

Bebê que mama no peito não precisa tomar água: mito ou verdade?

Verdade. A composição do leite materno é rica em água, na quantidade ideal para manter o bebê hidratado. A dúvida sobre a oferta de água para o bebê normalmente é maior nos dias de muito calor. Como explica Dra. Monica Carceles, pediatra da Pro Matre Paulista, a maior necessidade de água do bebê deve ser suprida com a própria amamentação.

Isso significa que, em dias mais quentes, o bebê deve mamar mais do que nos outros. Quem precisa de mais água, nesta fase, é a mãe que está amamentando. “A mãe terá mais sede do que o habitual, principalmente durante o momento da amamentação. Deve tomar água sempre que tiver sede. Não deve aumentar a ingestão de leite, pois isto não aumentará sua produção”, orienta a pediatra.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)

Gestante não pode tomar sol: mito ou verdade?

Mito. O sol é muito importante para todas as pessoas e isso vale também para as gestantes. No entanto, para aproveitar os benefícios do sol sem prejudicar a saúde da pele, é preciso tomar alguns cuidados.

Dra. Flavia Ravelli, dermatologista da Pro Matre Paulista, esclarece algumas dúvidas e indica os cuidados necessários para a grávida no Verão.

Acompanhe neste vídeo especial. Acesse!

Natal: uma nova vida em você

Já são 80 Natais nestes quartos, corredores, berçários, salas cirúrgicas. A Pro Matre Paulista está completando 80 anos e, em todas essas décadas, nunca deixamos de vibrar e de sentir cada nova vida como um recomeço. E não é esse mesmo o sentido do Natal?

Para quem está passando o Natal com um bebê a caminho, a impressão de que nada será como antes. Para quem já está com o bebê nos braços, a certeza de que nunca ouve Natal melhor. Seus parentes e amigos podem até se esforçar, mas nenhum presente será melhor que este.

Mas, cá entre nós, com 80 Natais na história, nós podemos afirmar com muita segurança: cada Natal, daqui para a frente, será diferente. E vai ficar cada vez melhor!

Feliz Natal!

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (2 votes, average: 3,00 out of 5)

Todos os bebês devem ser vacinados: mito ou verdade?

Verdade. “Além das vacinas já aplicadas na maternidade, é fundamental que os pais observem e cumpram a tabela (ou calendário) de vacinação, definida pelos critérios da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade Brasileira de Imunização”, diz a Dra. Rosana Richtmann, infectologista e presidente da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da instituição.

As vacinas indicadas para cada idade estão disponíveis tanto na rede pública quanto em clínicas particulares. É muito importante seguir à risca o calendário de vacinação. O Brasil tem conseguido erradicar doenças como a paralisia infantil (sem registro de casos novos desde 1987).

Atribui-se esse panorama às campanhas públicas de vacinação. “No entanto, só a vigilância permanente ao calendário pode assegurar esse quadro positivo”, alerta Dra. Rosana. Portanto, vacine, não vacile.

80 anos da Pro Matre Paulista

A Pro Matre Paulista, mais tradicional maternidade da cidade de São Paulo, está completando 80 anos. Gerações de várias famílias chegaram ao mundo na maternidade, que fica na região da Avenida Paulista, uma das mais famosas da cidade.

Em 80 anos, muita coisa mudou, no mundo, na Obstetrícia e na nossa maternidade. Reconstituímos um pouco dessas mudanças, trazendo um “antes e depois” para você, no site da maternidade.

Navegue e veja como, há oitenta anos, somos uma das maiores referências quando se pensa em nascer com qualidade e segurança, em São Paulo.

Acesse!

Bebê deve mamar logo que nasce: mito ou verdade?

Verdade. Depois do parto, quanto mais precoce for a primeira mamada do bebê, melhor para ele e para a criação do vínculo com a mãe. “Embora, nos primeiros dias, a produção seja de colostro, não de leite propriamente dito, a amamentação é totalmente indicada nesse período”, comenta Dra. Luelene Ribeiro, pediatra da Pro Matre Paulista. O colostro contém os mesmos nutrientes do leite materno. Além disso, o ato de sugar estimula a produção de leite.

A “descida” do leite costuma acontecer dois ou três dias após o parto, o que normalmente coincide com a alta hospitalar. Neste momento, muitas mães ficam aflitas pelo aumento excessivo de volume das mamas, o que pode até dificultar para o bebê continuar mamando. “Nestes casos, o indicado é massagear as mamas, de preferência durante o banho, e retirar um pouco do leite, para proporcionar maior maleabilidade da pele e facilitar a pega para o bebê”, acrescenta Dra. Luelene.

Pro Matre Paulista e Universidade de Stanford: uma parceria inédita

Bebês que sofrem asfixia no momento do parto podem evoluir para quadros de paralisia cerebral, comprometendo sua qualidade de vida de forma permanente. Hoje, no entanto, é possível evitar esse quadro, por meio de tratamento ainda na maternidade. Apoiada nesse conceito, a Pro Matre Paulista introduziu o inovador conceito de UTI Neonatal Neurológica em sua estrutura.

Um passo adiante neste campo foi a parceria estabelecida entre a maternidade e a Universidade de Stanford, eleita pela revista Forbes como a melhor universidade americana. Os dois centros de excelência no assunto promoverão intercâmbio de profissionais e também a realização periódica de videoconferências para compartilhar dados e experiências, além do contato permanente, em tempo real, para discussão de casos.

“Essa parceria exclusiva é a prova de que estamos no caminho certo para encarar um dos maiores desafios atuais da Neonatologia e, com isso, queremos auxiliar na redução da mortalidade e proporcionar uma qualidade de vida livre de sequelas para crianças”, explica Dr. Gabriel Variane, responsável pela UTI Neonatal Neurológica da Pro Matre Paulista.

Há vantagens em ser mãe na maturidade: mito ou verdade?

Verdade. Embora muito se fale dos riscos da maternidade tardia, por questões fisiológicas, há um outro lado. Os avanços da medicina, o papel da mulher na sociedade e também as relações familiares permitem que se escolha a melhor hora para realizar o desejo de se tornar mães.

Como foi possível observar na pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2015, divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as brasileiras estão se tornando mães mais tarde.

Para a psicóloga Mariana Bonsaver, da maternidade Pro Matre Paulista, faz sentido. “Geralmente, as mulheres aos 40 anos já conquistaram estabilidade financeira, profissional e emocional, o que pode levar a uma gestação mais planejada e um sentimento de segurança quanto ao seu momento de vida”, afirma.

Para ler o conteúdo completo, clique aqui.

Amamentar evita nova gravidez: mito ou verdade?

Mito. Depois do parto, em geral a mulher terá condições de retomar a vida sexual em cerca de seis semanas. A fase de amamentação, ao contrário do que algumas novas mamães pensam, não é garantia contra uma nova gravidez.

“A prolactina, o hormônio responsável pela produção de leite no organismo feminino, inibe a gravidez, mas não se sabe até que ponto”, afirma Dra. Vera Delascio, ginecologista e obstetra da Pro Matre Paulista.

Cuidados com a contracepção devem ser retomados sessenta dias após o parto. Além dos métodos mecânicos (camisinha, diafragma, camisinha feminina) é possível utilizar pílulas anticoncepcionais, desde que não contenham estrógeno em sua composição. Acredita-se que esse hormônio feminino possa chegar ao bebê pelo leite, o que causaria o desequilíbrio hormonal na criança. Outras opções são pílulas de progesterona, anticoncepcionais injetáveis, subcutâneos ou DIU.