Hiperemese Gravídica. O que é? Qual o tratamento?

A Hiperemese Gravídica entrou para o noticiário recentemente com a revelação de que a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, grávida do terceiro filho, está com o distúrbio.

Mas o que é a Hiperemese Gravídica? Como ela afeta a gestação? Para responder a estas perguntas, conversamos com o Dr. Alberto D’Auria, obstetra da Pro Matre Paulista.

“O próprio nome indica”, explica o especialista. “Hiper, muito. Emese, vômito. É um vômito em excesso. O enjoo na gravidez é muito comum, aliás, às vezes ele é o primeiro sinal – de gravidez – pós-atraso menstrual”.

Isso não significa, porém, que a Hiperemese Gravídica é uma condição corriqueira. “Em algumas situações a hiperemese pode levar a gestante a um quadro de desidratação e muitas vezes precisa até de internação para fazer essa compensação”, diz o médico.

“Quando a gestante começa a não ganhar peso, porque o que ela ingere ela vomita, ela entra num quadro de possível início de desidratação. Começa a perder alguns eletrólitos, potássio, cloro… Então aí é preocupante, merece muita atenção”, esclarece. “Desidratação, mais necessidade de medicamento intravenoso, é igual a internação hospitalar”.

Por outro lado, Dr. D’Auria tranquiliza: “Mulheres que têm mais vômitos tendem a ter gestações com mais sucesso, porque produzem mais hormônios. Mas isso não é regra”.

O importante, ressalta o médico, é que “a prescrição deve ser feita pelo obstetra. Não é para se fazer a automedicação”.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)

Como segurar o bebê? Qual é a melhor posição?

É normal os pais, mesmo aqueles que já tiveram outros filhos, se atrapalharem ao carregar o bebê, na tentativa de confortá-lo na hora do choro.

“O choro é a forma que o bebê tem de se comunicar com o meio externo, ficar atento a todas essas manifestações e reações dele, além de dar aconchego, é o que o pai pode fazer”, diz Rosmaria Pirollo, Gerente de Enfermagem da Pro Matre Paulista.

Ao segurar a criança, é importante posicioná-la de forma que ela esteja sempre confortável. A coordenadora de enfermagem da Pro Matre, Daniela Bonfá Garcia, deu mais orientações, em reportagem do site da revista GQ.

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Essa é uma posição de aconchego e que pode controlar uma possível cólica, por exemplo. O abdômen dele é um pouco comprimido e o calor do pai vai aquecê-lo. Ela deixa o bebê mais contido e seguro. O certo é colocar as mãos nas costas e na cervical.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Sentar com um travesseiro no colo e colocar o bebê com a barriga para baixo é uma posição de conforto para ele descansar ou dormir.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Para um possível engasgo, o pai pode colocar o bebê para baixo, apoiado no braço, inclinar um pouco as pernas e ter certeza que a boca dele fique aberta.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Se o incômodo do bebê for cólica, o pai pode fazer uma flexão da coxa no abdome para que ele consiga eliminar os gases. Além disso, o pai pode fazer movimentos circulares na região abdominal também.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Se o pai quiser colocar o filho no berço, é importante deixar o cobertor de uma forma que o bebê se sinta abraçado e acolhido. Outra posição é deitar o bebê de barriga para cima com a cabeça virada para o lado, que é para evitar engasgo e diminuir o risco de morte súbita.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Apoiar o bebê no braço e virado para cima. Nessa posição é importante manter o contato visual e falar com ele para que se sinta confortável e seguro.”

Como segurar o bebê (Foto: Divulgação)

“Outra posição de conforto é com o pai sentado e segurando o bebê com os dois braços nas suas costas e cervical. A interação também é importante nessa posição para que o filho se sinta em um ambiente acolhedor e que tem semelhanças às sensações experimentadas dentro do útero materno. Se os pais costumavam colocar música para ele ouvir antes do nascimento, é bom que ele escute depois do parto também, por exemplo.”

Quer saber mais sobre o assunto? Leia a reportagem completa no site da GQ.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)

Gravidez de gêmeos é uma gestação de risco?

Uma gestação altera o corpo e a vida de uma mulher. Essas mudanças se fazem mais presentes numa gravidez de gêmeos? Quem explica é o Dr. Guilherme Loureiro Fernandes, responsável pelo serviço de Medicina Fetal da Pro Matre Paulista.

“Uma nova gestação é sempre um sinal de esperança e alegria para o casal e seus familiares. A expectativa de um belo futuro, do espírito da maternidade é algo que permeia a emoção de toda gestantes. Quantas vezes não ouvimos delas ‘doutor, tomara que sejam gêmeos’, e nessa hora pensamos, ‘mal sabe ela dos riscos’”, analisa.

Sobre esses riscos, o especialista explica: “diante de uma gestação gemelar, devemos de imediato classificar se a gravidez é de um ou de duas placentas.” Essa confirmação deve ser feita por ultrassom, diz o médico, “de preferência realizado por um serviço especializado em Medicina Fetal, bem como todo o acompanhamento da gravidez, até o parto”.

Independente do número de placentas, a gravidez de gêmeos é considerada de risco, principalmente de prematuridade, afirma Dr. Guilherme. “Quanto mais fetos, maiores são os riscos”.

“A gestação monocoriônica, de uma placenta, apresenta possibilidade de desenvolver a Síndrome de Transfusão Feto-Fetal, podendo ser diagnosticada no fim do primeiro trimestre ou até mais tardiamente”, diz. Nestes casos, o especialista recomenda, como há um aumento significativo de risco de morte para o bebê, a cirurgia fetal, realizada com laser, é necessária.

Dr. Guilherme explica que problemas de saúde próprios da gestação de gêmeos com uma placenta podem vir acompanhados de polidrâmnia, alteração relacionada à quantidade de líquido amniótico no útero. Podendo aumentar o risco de trabalho de parto prematuro e amniorexe (rotura prematura de membranas amnióticas).

“Em relação às gestações dicoriônicas, duas placentas, o risco de Síndrome de Transfusão Feto-Fetal não existe,” afirma. “Porém há um aumento de patologias própria de gestações únicas que acontecem ao mesmo tempo, por exemplo, um feto crescer mais que o outro”.

Entretanto, lembra o médico, qualquer que seja o tipo de gestação de gêmeos é necessário acompanhamento especializado, com curto intervalo entre consultas médicas e avaliação ultrassonográfica e hemodinânica. “Pois podem se manifestar doenças clínicas e obstétricas mais frequentes quando comparadas a gestações de fetos únicos, como pré-eclâmpsia, eclâmpsia, diabetes e o maior risco de prematuridade. Bem como redução do colo uterino, algo muito frequente, que necessita de ferramentas terapêuticas como o uso vaginal de progesterona natural micronizada.”

Dr. Guilherme reforça: “a gemelaridade muda a condução do pré-natal tanto para o obstetra como para a gestante e seus familiares”. O especialista adverte que o sucesso na gravidez de gêmeos depende muito da conscientização da família para os riscos à mãe e aos bebês.

Megacólon Congênito? O que é?

Um problema no intestino grosso que atinge aproximadamente 1 para cada 5 mil recém-nascidos. A neonatologista da Pro Matre Paulista Dra. Mônica Carceles explica melhor o que é o Megacólon Congênito.

“É uma dilatação do intestino grosso causada por uma falha de inervação. A área em que está localizada essa falha não relaxa para a passagem das fezes e gera uma obstrução intestinal”, descreve a médica.

“O principal sintoma é a demora para evacuar nos dois primeiros dias de vida, mas depende muito da extensão e da localização da falha”, conta. “Quando uma área pequena do intestino é afetada, os sintomas são mais leves e o diagnóstico pode ser mais fácil”.

Quando o bebê apresenta os sintomas, o médico pode pedir uma biópsia do intestino para fazer o diagnóstico. Não é possível detectar o problema antes do nascimento, durante a gestação.

Mas é possível diferenciar a doença de uma prisão de ventre normal? “No Megacólon, a obstipação intestinal é muito grave, havendo grande distensão do abdome. Em geral, o bebê não consegue evacuar sem que seja feita uma lavagem intestinal”, responde a especialista. “As manifestações da doença são precoces, aparecendo nos primeiros dias de vida”.

O Megacólon Congênito tem cura? Tem tratamento? “O tratamento é cirúrgico”, explica Dra. Mônica, “com a retirada da parte afetada do intestino. O bom resultado depende da intensidade da alteração”. A cirurgia pode ser feita já no período neonatal, dependendo de quando for feito o diagnóstico e da gravidade.