Espaço Família Pro Matre

Tamanho do Texto:

Dicas para o Bebê

Após o nascimento do bebê podem surgir muitas dúvidas e inseguranças. Aqui, preparamos algumas dicas que ajudarão a cuidar de seu filho nesse período cheio de descobertas.

1 – Primeiros minutos de vida

O famoso primeiro chorinho não marca apenas o nascimento do bebê. Naquele instante, nascem a mãe, o pai e a família. O foco, dali por diante, desloca-se para aquele pequeno ser, que chega vermelho e todo lambuzado.

Ao nascer, o bebê é imediatamente avaliado e recebe o teste de Apgar (nota de avaliação geral) no primeiro e no quinto minuto de vida. Depois, o cordão umbilical é clampeado e em seguida, cortado. A aplicação de gotas de nitrato de prata nos olhos do recém-nascido evita infecção ocular, e é feita logo na sequência.

O exame físico completo é realizado em seguida, quando o bebê é pesado. Logo depois ele recebe a identificação em forma de pulseira com seus dados (nome completo da mãe, registro hospitalar e número de quarto), e então é apresentado aos pais, ficando alguns minutos com eles, antes de seguir para o berçário.

2 - Icterícia: comum e simples de tratar

Uma das doenças mais comuns no recém-nascido é a icterícia. Ela ocorre quando existe acúmulo no sangue de um pigmento produzido naturalmente pelo nosso organismo, chamado bilirrubina, que é metabolizado pelo fígado e eliminado através das fezes e da urina.

Frequentemente ocorre um aumento de bilirrubina entre o segundo e o terceiro dia de vida, isso porque o organismo do bebê ainda é imaturo para eliminar este pigmento. É possível detectá-la observando sua pele, que fica mais amarelada. Geralmente, a icterícia inicia-se pela face, podendo progredir pelo corpo. O branco dos olhos do bebê também pode tornar-se amarelado. Mas não se preocupe, pois a maioria das icterícias não necessita de tratamento. Quando indicado pelo médico, o bebê deverá ser mantido no hospital para o chamado banho de luz (fototerapia), que normalmente é o suficiente para a eliminação da doença.

3 – Teste do pezinho: detecção precoce

O teste do pezinho é um dos exames laboratoriais de triagem, obrigatório por lei, que detecta precocemente doenças de origem genética, metabólica e infecciosa, que geralmente só apresentam sintomas após alguns meses de vida. Também chamado de Teste Básico, ele cobre a identificação de 6 doenças:Hipotireoidismo Congênito Primário (TSH) e Secundário (T4), Fenilcetonúria (PKU), Hemoblobinopatias (Hb), Fibrose Cística (IRT), Hiperplasia Suprarrenal Congênita (170H) e Deficiência de Biotinidase.

Estas doenças são raras, porém obtendo-se o diagnóstico precoce pode-se melhorar a evolução delas. Atualmente disponibilizam-se outros dois tipos de testes mais completos: o Ampliado (com a detecção de mais 4 doenças) e o Expandido, que detecta o maior número possível de doenças, com 46 patologias.

Por isso, como medida de prevenção e precaução, é muito importante que o seu bebê faça o Teste do Pezinho Expandido.

Os três tipos do exame são realizados na própria maternidade.

Clique e conheça as doenças detectáveis por cada tipo de teste

4 – A importância da amamentação

Alimentar seu bebê com o próprio leite é um dos grandes prazeres da nova mãe. Além de oferecer a seu filho o melhor alimento para os primeiros meses de vida, a mamãe que amamenta recupera seu peso original mais rapidamente.

No entanto, a amamentação nem sempre é instintiva no ser humano, e alguma vezes é preciso ser ensinada e estimulada. O conhecimento, a vontade e o desejo dos pais são fundamentais para o bom desempenho do aleitamento materno.

Quando o bebê suga a mama adequadamente, ele estimula no organismo materno uma glândula que produz e libera hormônios da produção e da saída do leite. Nos primeiros dias, o leite produzido é o colostro, rico em proteínas que protegem contra infecções. Ao longo da lactação, o leite sofrerá modificações em sua composição, adequando-se às necessidades para o crescimento do bebê.

5 - A caminho de casa: segurança no trânsito

Ao sair da maternidade, o primeiro trajeto que o bebê fará é o caminho para casa. Por isso, atenção. Este é um assunto muito sério e é importante saber tudo a respeito, já que a maioria dos acidentes ocorre em trajetos curtos e em velocidades baixas e médias.

Muita gente pensa que a melhor maneira de levar o bebê é no colo. Que engano! Além do impacto da projeção que a criança pode sofrer, ainda há o risco de esmagamento causado pelo adulto que tem a criança no seu colo.

Ao sair da maternidade (e até a criança completar um ano de idade), o correto é o transporte em cadeirinhas de segurança, tipo bebê conforto, sempre presas pelo cinto de segurança do carro e de costas para o movimento do carro.

6 – Sono do bebê

Um recém-nascido dorme em média de 20 horas por dia em seus primeiros dias de vida. Esse período se reduz lentamente com o passar dos meses, portanto, é importante que ele durma sempre em um ambiente calmo, de pouca luminosidade, silencioso e aconchegante.

Em média, os bebês têm cerca de oito períodos de sono por dia. Alguns podem durar de 2 a 4 horas, outros são sonecas de apenas alguns minutos. Já o período pré-sono, talvez acompanhado por choro, pode durar até 30 min. Deite o seu bebê quando ele estiver saciado e depois de ter arrotado.

7 - Como colocar o bebê para dormir em segurança

A Síndrome da Morte súbita é conhecida e estudada desde a década de 90. É um evento que causa extrema preocupação nos pais mas muitos não sabem que algumas medidas simples, tomadas em casa, diminuem a incidência desta ocorrência em mais de 60%.

Ao contrário do que muitos ainda pensam, a Síndrome da Morte Súbita ou Morte do Berço não acontece por engasgo e aspiração de leite.

A causa exata não é bem conhecida mas sabe-se que as medidas abaixo, recomendadas pela Academia Americana de Pediatria e pela Sociedade Brasileira de Pediatria reduzem muito o risco da morte no berço:


1 - A posição mais segura para colocar o bebê na hora de dormir é de barriga para cima. Esta medida deve ser seguida do nascimento até 1 ano de idade. Os casos de engasgo e sufocamento por leite não aumentam nesta posição pois os bebês tem mecanismos de defesa quando regurgitam.


A partir do momento que o bebê conseguir se virar sozinho para a posição de lado ou barriga para baixo, poderá ser deixado nesta posição. Mas ao colocar para dormir, coloque sempre de barriga para cima, mesmo que ele se vire depois.


2 - O berço deve seguir várias normas de fabricação como, por exemplo, altura e distância entre as barras das grades. Só compre berço com selo do Inmetro.


3 - O colchão deve ser firme e o lençol deve ser bem preso e sem risco de se soltar durante o sono, com os movimentos da criança.


4 - Não colocar travesseiro, bichos de pelúcia, lençóis soltos ou protetores de berço. Esses objetos aumentam a chance de sufocamento e estrangulamento.


5 - Dormir no seu próprio berço no quarto dos pais nos primeiros 6 meses de vida.


6 - Não colocar para dormir na cama com os pais.


7 - Não dormir em sofás, poltronas ou superfícies muito macias.


8 - Não aquecer muito o bebê: eles podem ter um pouco mais de frio que um adulto, mas só um pouquinho.


9 - Não enrolar o bebê na hora de dormir. Se for cobrir o bebê, use um cobertor preso nas laterais do colchão e o encaixe por baixo dos bracinhos do bebê para que não cubra seu rosto.


10 - O aleitamento materno ou o leite materno ordenhado também protegem contra a S. da Morte Súbita.


11 - Não fumar durante a gestação e Nunca permitir que fumem perto do seu bebê.


12 - Siga o calendário de Vacinação.


13 - Durante o dia, quando o bebê estiver acordado, coloque-o em sua cama, de barriga para baixo, para que ele se exercite, movimentando a cabeça para cima e para os lados - é bom para o desenvolvimento neurológico e evita que a cabeça fique deformada na parte de trás por ficar sempre de barriga para cima. Estes momentos de barriga para baixo devem ser sempre supervisionados por você ou por outro adulto.


14 - Oriente e explique estas medidas de segurança para todos os que forem cuidar do seu bebê (pai, avós, tias, babás, funcionárias da creche, etc).

8 – Como evitar as cólicas

Geralmente as cólicas são uma das situações mais angustiantes para os pais. Contrações irregulares e dolorosas no intestino são manifestadas por choro agudo, flexão das pernas e endurecimento da barriga, que às vezes melhora com a eliminação de gazes ou fezes. As cólicas iniciam a partir da primeira semana e podem perdurar até o 3º ou 4º mês de vida. Medidas caseiras, como massagens, aquecimento e colocar o bebê de bruços são eficazes. Nunca use medicamentos sem orientação médica, e a qualquer suspeita de algo fora normal consulte um pediatra.

9 – Medicamentos

Alguns recém-nascidos saem da maternidade com medicações que podem ser desde uma vitamina até drogas de uso controlado. Para qualquer uma delas, os pais devem seguir rigorosamente a orientação da freqüência de administração feita pelo pediatra. Algumas medicações que são adquiridas fora do ambiente hospitalar vem com seringa ou copo para auxiliar a administração. Neste caso, siga a orientação descrita na bula, obedecendo a ordem médica, tanto para a dosagem quanto para a freqüência.

Nunca medique seu filho sem conhecimento do seu pediatra.

10 – Banhos de sol

O bebê recém-nascido possui a pele muito delicada, que requer atenção e cuidados. Para isso, procure sempre observar a pele da criança a fim de identificar possíveis alterações por causa do sol.

Se o bebê ficar exposto ao sol por muito tempo, poderá sofrer desidratação, febre, delírio, choque e baixa pressão sanguínea. Então, se for expor seu filho ao sol procure protegê-lo e limitar o tempo. Assim você cuida de seu filho e garante sua saúde.

E não se esqueça dos horários mais recomendados para os banhos de sol. Antes das 10h e depois das 16h – lembre-se do horário de verão.

Não passe nada na pele dele até os seis meses de idade. Qualquer alteração observada na pele contate um pediatra.

11 – Calendário de Vacina

O calendário vacinal se inicia ao nascer. Vacinar o bebê é um ato de amor e ele pode ser imunizado ainda na Maternidade, com todo conforto, segurança e moderna tecnologia.

A Hepatite B e a Tuberculose são doenças que devem ser prevenidas logo ao nascimento, e nós da equipe do Centro de Imunização da Pro Matre estaremos à sua disposição para orientá-los.

Abaixo, encontra-se um calendário completo com todas as vacinas disponíveis.

Acompanhe a proteção de sua criança. Estaremos à sua disposição, sempre com muito carinho e atenção.

Para mais informações: (11) 3269-2295

Idade Vacinas
Ao nascer BCG (Tuberculose), Hepatite B
2 meses Hepatite B
Poliomielite (Salk)
Tríplice Bacteriana (DTP/ DTP Acelular)
Haemophilus infl. tipo b
Rotavírus
Pneumocócica conjugada
3 meses Meningocócica C conjugada
4 meses Poliomielite (Salk)
Tríplice Bacteriana (DTP/ DTP Acelular)
Haemophilus infl. tipo b
Rotavírus
Pneumocócica conjugada
5 meses Meningocócica C conjugada
6 meses Hepatite B
Poliomielite (Sabin/Salk)
Tríplice Bacteriana (DTP/ DTP Acelular)
Haemophilus infl. tipo b
Pneumocócica conjugada
Rotavírus*
Influenza (Gripe)**
12 meses Tríplice Viral (SCR - Sarampo - Caxumba - Rubéola)
Varicela (Catapora)
Hepatite A
Meningocócica C conjugada
15 meses Poliomielite (Sabin/Salk)
Tríplice Bacteriana (DTP/ DTP Acelular)
Haemophilus infl. tipo B
Pneumocócica conjugada
18 meses Hepatite A / Varicela (Catapora)
Tríplice Viral (SCR - Sarampo - Caxumba - Rubéola)
4 a 6 anos Poliomielite (Sabin/Salk)
Tríplice Bacteriana (DTP/ DTP Acelular)
Meningocócica conjugada
9 anos HPV (Papiloma Vírus Humano)
15 anos Tríplice Bacteriana Acelular do tipo adulto (dTpa)
*Conforme fabricante / **Dose anual
Fonte: Calendário vacinal adaptado da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).