Novidades

Tamanho do Texto:

Novidades do mês de Abril

27/04/2011

Cigarro e gestação: prejuízos reais

Baixo peso do bebê e aumento do risco para parto prematuro são algumas das conseqüências esperadas nas gestações de fumantes

Os prejuízos do cigarro durante a gestação já são conhecidos e documentados. Vários estudos associam o tabagismo ao longo da gravidez à maior ocorrência de abortos espontâneos, nascimentos prematuros, bebês de baixo peso, mortes fetais e de recém-nascidos, gravidez tubária, deslocamento da placenta, acretismo placentário (placenta prévia) e episódios de sangramento.

Comparando-se a gestante que fuma com a que não fuma, a fumante apresenta mais complicações durante o parto e tem o dobro de chances de ter um bebê de menor peso e de menor comprimento. Mas há outras implicações no hábito continuado de fumar ao longo da gravidez.

Ao inalar a fumaça do cigarro, componentes tóxicos chegam até os pulmões da mãe e alojam-se na corrente sanguínea. Este sangue acrescido de impurezas é bombeado pelo organismo, chegando até o bebê. Ao fumar um único cigarro, a gestante provoca uma aceleração quase imediata dos batimentos cardíacos do feto, efeito da nicotina sobre o aparelho cardiovascular. Além de acelerar os batimentos cardíacos, a nicotina também causa o estreitamento dos vasos, fazendo com que menos nutrientes cheguem até o feto.

Um estudo realizado com mais de 22 mil crianças de oito países e divulgado no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine reafirma o quanto o cigarro pode ser uma ameaça, antes mesmo da concepção. Além de diminuir a fertilidade, reduzindo a capacidade ovulatória na mulher e diminuindo a qualidade do sêmen no casal fumante, o cigarro ainda interfere nas chances de sucesso em uma reprodução assistida, reduzindo-as em 2,7 vezes.

As complicações com a placenta e os episódios de hemorragia ocorrem mais frequentemente quando a mulher grávida fuma porque o tabaco fragiliza os vasos sanguíneos, rompendo parcial ou completamente a placenta. Filhos de mulheres fumantes, em geral, têm mais chances de complicações pulmonares.

“Para evitar esses riscos, o ideal é fazer um tratamento para abandonar o fumo antes de tentar engravidar. Como isso nem sempre é possível, a saída é parar de fumar assim que descobrir a gestação”, comenta Dr. Alberto d´Auria, diretor de Relacionamento Médico da Pro Matre Paulista. Dr. d´Auria comenta que uma boa medida para mulheres fumantes que engravidam é participar de grupos de apoio para aliviar a ansiedade e manter o comprometimento de não fumar.

Voltar