Novidades

Tamanho do Texto:

Novidades do mês de Fevereiro

08/02/2011

Gestação tardia: reflexo de um novo tempo e de uma nova mulher.

Cresce o número de gestantes com mais de 40, e até de 50 anos, mostrando uma postura diferente da mulher na sociedade.

Nas últimas décadas, a opção das mulheres por engravidar com mais de 30 anos tem se reforçado, impulsionada por fatores como o foco na vida profissional e a busca pela estabilidade financeira antes da chegada do primeiro filho. Mais recentemente, esta fronteira tem se estendido para além dos 40 anos, e começa a alcançar a faixa dos 50 anos. Recentemente, a atriz Solange Couto divulgou sua terceira gestação. Ela está com 54 anos.

Ainda que sejam raros, casos de gestação tardia não estão necessariamente mais associados a riscos aumentados. É certo que algumas complicações da gestação, como diabetes gestacional, hipertensão arterial, restrição de crescimento fetal, risco de parto prematuro e distúrbios na tireóide podem ser potencializados pela ocorrência tardia da gestação. No entanto, é possível vivenciar uma gravidez saudável mesmo nesta faixa etária.

“Há muitos fatores que levam uma mulher a engravidar e desenvolver uma gestação normal nesse período”, comenta Dr. Alberto D´auria, diretor de Relacionamento Médico da Pro Matre Paulista. “A mulher dos tempos modernos está envelhecendo com mais qualidade de vida: dá mais atenção à alimentação equilibrada, investe seu tempo em atividade física, vivencia uma prática sexual mais frequente e de qualidade”, acrescenta o médico. “Tudo isso possibilita que a idade cronológica não seja necessariamente correspondente à idade orgânica. Há mulheres de 40 anos, hoje, com a disposição física de mulheres mais jovens, na faixa dos 30 anos, o que facilita a ocorrência e o desenvolvimento de uma gestação sadia.”

Um exemplo ocorrido na Pro Matre Paulista foi o da empresária Rosana Beni, que teve seu casal de gêmeos na maternidade, aos 43 anos de idade. Veja seu depoimento:

“Eu e o Fábio, meu marido, tentamos engravidar seis vezes antes de conseguirmos. Fizemos tratamentos durante dois anos e, na última tentativa, dessa vez com quatro embriões, consegui engravidar do casal Anita e Raphael. Uma história curiosa da família também serviu de incentivo. Minha avó, Anita, teve minha mãe, Juracy, aos 52 anos. Todo mundo achava que ela estava gordinha. Imagine uma senhora ficar grávida nessa idade, no interior de São Paulo? Foi com isso na cabeça que segui em frente. Tive uma gravidez muito tranquila, pois sempre busquei informações sobre a criação de gêmeos.”

Voltar