É verdade que bebês podem ouvir desde o útero da mãe?

Sim. Segundo o Dr. Paulo Pachi, neonatologista da Pro Matre Paulista, o sentido da audição é desenvolvido muito antes do nascimento. Ainda no útero, o bebê é capaz de ouvir os sons dos batimentos cardíacos da mãe e as vibrações da voz dela.

Ao nascer, os pequenos já desenvolveram uma boa compreensão e reconhecimento do som. Nos primeiros dias, eles se acostumarão a ouvir a voz dos parentes mais próximos e logo serão capazes de reconhecê-las. É interessante notar que, já nessa época, a voz da mãe exerce um efeito calmante para o neném.

A experiência com sons no mundo externo ao útero será muito importante para a compreensão da língua materna e desenvolvimento posterior da fala. Com o passar do tempo, o bebê começará a distinguir os fonemas (unidades pequenas de sons de uma palavra) desse idioma e tentará reproduzi-los. Logo, ele compreenderá o significado das palavras e entenderá o tom do discurso dos pais – de censura ou elogio, por exemplo.

É preciso lembrar que o ouvido do recém-nascido ainda é muito delicado. Por isso, não exponha seu filho a ruídos muito altos. Isso pode causar irritação e até dor.

É verdade que a mulher deve deixar de amamentar quando volta a trabalhar?

Isso é um mito. A amamentação com leite materno é essencial ao bebê até os seis meses de vida. A volta ao trabalho traz um importante dúvida: como manter o aleitamento à distância? “A resposta para esta frequente pergunta está no armazenamento de leite materno”, comenta Maria Mercedes Sakagawa, nutricionista responsável pelo Lactário da maternidade Pro Matre Paulista.

A mulher deve se acostumar ao processo de ordenha, manual ou mecânico. O mais indicado e menos agressivo é tirar o leite sem aparelhos. Para isso, massageie os seios com os dedos indicador e médio, fazendo movimentos circulares na base da aréola, em direção ao mamilo. Limpe a mama com algodão umedecido em água fervida. Despreze os primeiros jatos, pois o canal de saída do leite deve estar isento dos resíduos da retirada anterior.

É importante tomar alguns cuidados para evitar a contaminação. O mais indicado é retirar o leite após o banho, sem relógios, anéis, pulseiras ou outros assessórios. Sempre lave bem as mãos (com água e sabão, limpe até o cotovelo), use uma touca ou lenço para prender os cabelos e coloque uma máscara descartável ou fralda sobre o nariz.

O frasco usado para armazenar esse alimento deve conter uma tampa. Lave-o com detergente e água corrente e ferva-o por 10 minutos. É importante manter um controle da data e horário em que o leite foi tirado. O ideal é consumir o alimento armazenado na geladeira em até 12 horas ou 15 dias para o leite congelado.

Ciúme do novo irmãozinho pode ser positivo: mito ou verdade?

É verdade. A chegada de um novo bebê pode trazer insegurança e ansiedade para o irmão mais velho. Filhos únicos têm maior dificuldade em dividir a atenção dos pais, por isso podem se comportar de maneira inadequada para externalizar esse sentimento. 

Ao contrário do que os pais geralmente acreditam, o ciúme do irmão menor pode ser uma ótima oportunidade para o desenvolvimento de algumas habilidades sociais importantes para as duas crianças. “É na convivência entre irmãos que a criança experimenta relações de competição, solidariedade, rivalidade e negociação, que são fundamentais na aprendizagem e que, mais tarde, ela utilizará com pessoas da mesma geração”, explica Salete Arouca, psicóloga da Pro Matre Paulista

Para agir diante dessa situação é preciso muita sensibilidade e paciência. Tente entender os motivos do ciúme e observe quando ele se torna mais frequente. Converse com seu filho mais velho sobre como é bom ter um irmão e enumere todas as coisas que eles poderão fazer juntos mais tarde. Uma boa dica é envolver o primogênito nos cuidados do bebê, desde que esse tenha discernimento e capacidade para participar dessas atividades.

Cuide para que o filho mais velho não machuque o caçula. O ideal é explicar que o maior deve proteger o irmãozinho. A psicóloga acrescenta: “A relação estabelecida entre irmãos é única e especial, assumindo grande importância no desenvolvimento psicológico de ambos”.

Estresse pode impedir a gravidez: mito ou verdade?

Deixar-se influenciar pela vida estressante de uma cidade grande não é a melhor receita para quem quer engravidar. O estresse é um estado de alerta, em que o nosso organismo adota algumas mudanças metabólicas radicais para enfrentar qualquer perigo ou ameaça.

Nessa situação, estímulos estressantes externos interferem no trabalho de uma região do cérebro denominada de hipotálamo, responsável por regular processos metabólicos e atividades autônomas (como apetite, sono, atividade sexual e emoções). Esse funcionamento diferente, durante um longo período de tempo, está relacionado ao desenvolvimento de diversos problemas endocrinológicos, dermatológicos, respiratórios e cardíacos.

O estresse pode interromper a ovulação da mulher e interferir na quantidade de esperma produzido pelo homem. Por isso, se você pretende engravidar, o ideal é levar uma vida mais tranquila e saudável. Uma dica para ficar mais calmo são as atividades de relaxamento com música. Outra opção é a atividade física, que produz uma sensação de bem-estar. Tente fugir um pouco do ritmo frenético do dia a dia.

É verdade que devo parar de fazer as unhas na manicure durante a gravidez?

Isso é um mito. Os riscos de cuidar das unhas durante a gravidez são mínimos. Não há provas de que as substâncias químicas envolvidas nesse ritual de beleza – esmaltes e removedores, como a acetona e o tolueno – possam trazer complicações ao feto e ao andamento da gestação. No entanto, é preciso não exagerar.

O mais indicado é aumentar o intervalo entre as idas ao salão de beleza para reduzir a exposição a esses componentes químicos. Outro cuidado importante é fazer as unhas em ambientes bem ventilados para não respirar os vapores fortes dos produtos.

É fundamental usar alicates e outros instrumentos bem esterilizados. Verifique se a sua manicure adota essa precaução. Algumas mulheres levam os próprios instrumentos.

Quando a hora do parto estiver chegando é preciso tomar mais um cuidado. Pinte as unhas com cores claras, pois tons escuros de esmalte atrapalham na medida do oxigênio do sangue que é verificada durante todo o procedimento cirúrgico.

Um seio pode ficar maior que o outro durante a amamentação: mito ou verdade?

É verdade. O aleitamento desigual – preferência do bebê por mamar em um dos seios – é a principal causa dessa mudança no corpo da mamãe. A maior estimulação em um dos lados deixa a mama preferida maior que a outra.

Não há motivos para se preocupar. Normalmente, o tamanho das mamas é desigual em todas as mulheres. Para quem acabou de dar à luz, essa característica anatômica pode se acentuar um pouco. Os seios tendem a voltar ao tamanho habitual depois dessa fase de amamentação.

Uma dica para evitar o aleitamento desigual é oferecer os dois seios na mesma mamada ou ainda alterná-los em mamadas diferentes. Se o seu filhote rejeitar um peito, tire o excesso de leite que não foi oferecido. Para não desperdiçar esse alimento tão importante para os pequenos, procure um banco de leite e doe o que sobrou dele. Esse ato pode ajudar muitas famílias.

É verdade que a cadeirinha pode ser instalada no banco da frente?

Isso é um mito. Algumas pessoas acreditam que colocar a cadeirinha do bebê no banco da frente do carro é ideal para facilitar nos cuidados e acudir a criança quando ela começa a chorar. Essa prática não é segura. O corpo do neném é muito frágil e precisa de proteção total, por isso é mais adequado transportá-lo no banco de trás.

Embora a legislação brasileira ainda permita colocá-las no banco da frente, os fabricantes das cadeirinhas não garantem a eficácia do produto quando ele é instalado nesta posição. Isso acontece porque todos os testes são feitos para reduzir o impacto de uma eventual batida com a cadeirinha instalada no banco de traseiro.

Se o seu carro ainda possui cintos de dois pontos na parte de trás, procure modelos de cadeirinha mais antigos ou importados, adaptados para esse tipo de veículo. Uma dica é consultar sempre o manual do produto para verificar a compatibilidade dele com o seu automóvel.