Excesso de ácido fólico pode aumentar o risco de autismo no bebê?

Um estudo recente, realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, nos EUA, indica que o excesso de vitamina B9 (ácido fólico), pode aumentar em duas vezes o risco de autismo nas crianças.

Para orientações às mães, buscamos informações a respeito com o Dr. Alberto D’Auria, obstetra da Pro Matre Paulista.

“A reserva de ácido fólico é de extrema importância para a saúde do feto”, alerta o médico. “Há alguns anos, quando implantamos essa rotina de ingestão de ácido fólico pré-natal, 5 mg foi a dose escolhida para esse cuidado”.

“Depois baixamos para 2 mg por dia, deixando alguns casos especiais com dose de 5 mg diárias”, conta.

“Existe hoje a tendência em deixar a dose em 400 mcg, ou seja, 0,4 mg por dia, que seria suficiente para proteger as mensagens genéticas na formação do embrião”, explica Dr. D’Auria.

O especialista sugere uma alternativa à vitamina B9, o Metilfolato, forma ativa do ácido fólico. “É melhor pois já está biodisponível, melhorando a absorção desejada”.

O obstetra, no entanto, adverte: “cada caso tem sua especificidade, pensando na idade da paciente, gestação de risco, fertilizações assistidas…” Portanto, é fundamental que a grávida siga a prescrição do médico que acompanha sua gestação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *