Hiperemese Gravídica. O que é? Qual o tratamento?

A Hiperemese Gravídica entrou para o noticiário recentemente com a revelação de que a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, grávida do terceiro filho, está com o distúrbio.

Mas o que é a Hiperemese Gravídica? Como ela afeta a gestação? Para responder a estas perguntas, conversamos com o Dr. Alberto D’Auria, obstetra da Pro Matre Paulista.

“O próprio nome indica”, explica o especialista. “Hiper, muito. Emese, vômito. É um vômito em excesso. O enjoo na gravidez é muito comum, aliás, às vezes ele é o primeiro sinal – de gravidez – pós-atraso menstrual”.

Isso não significa, porém, que a Hiperemese Gravídica é uma condição corriqueira. “Em algumas situações a hiperemese pode levar a gestante a um quadro de desidratação e muitas vezes precisa até de internação para fazer essa compensação”, diz o médico.

“Quando a gestante começa a não ganhar peso, porque o que ela ingere ela vomita, ela entra num quadro de possível início de desidratação. Começa a perder alguns eletrólitos, potássio, cloro… Então aí é preocupante, merece muita atenção”, esclarece. “Desidratação, mais necessidade de medicamento intravenoso, é igual a internação hospitalar”.

Por outro lado, Dr. D’Auria tranquiliza: “Mulheres que têm mais vômitos tendem a ter gestações com mais sucesso, porque produzem mais hormônios. Mas isso não é regra”.

O importante, ressalta o médico, é que “a prescrição deve ser feita pelo obstetra. Não é para se fazer a automedicação”.

Comentários encerrados.