Aleitamento materno contra a Covid-19: gotas de afeto e esperança

Entenda a pesquisa realizada que avalia os anticorpos presentes no leite materno e identifica potencial para o tratamento da Covid-19

Nesse contexto de pandemia, um dos principais receios das lactantes é com a saúde dos seus filhos. A amamentação tem sido foco de questionamentos de mulheres, que não sabem se essa atividade é segura.

Será que é necessário interromper o aleitamento materno e nutrir os bebês com fórmulas para evitar contato direto com o seio da mãe? A Covid-19 pode ser transmitida na amamentação?

Na última semana, pesquisadores dos Estados Unidos avançaram em seus estudos e descobriram algo muito importante: os anticorpos presentes no leite materno têm chance de agir contra o coronavírus. Entenda o que isso significa.

O leite materno e a evolução das pesquisas para o tratamento da Covid-19

Desde que a pandemia causada pelo coronavírus passou a fazer parte da realidade da população mundial, pesquisadores de diversas áreas têm trabalhado incansavelmente pela busca de medidas de imunização tratamento.

Nesse cenário, uma série de recomendações às mães que estão amamentando têm sido compartilhadas. Como você já sabe, o aleitamento materno é de extrema importância para o desenvolvimento do bebê, principalmente ao longo do primeiro ano de vida.

Esse alimento é responsável por proteger a criança contra uma série de infecções. Ele conta com os nutrientes necessários e fundamentais para o crescimento saudável dos bebês e, portanto, o ideal é que ele não seja substituído.

A primeira fase da lactação, que começa nos primeiros dias de vida do bebê, é chamada colostro. A composição do leite contém imunoglobulinas, que são anticorpos que colaboram com a saúde do bebê até que ele seja vacinado. E qual é a relação disso com a Covid-19?

A pesquisadora Rebecca Powell, professora da Escola de Medicina Icahn do Hospital Monte Sinai, em Nova York, tem dedicado seus estudos ao leite materno. O estudo, divulgado no início de maio, ainda está em andamento.

Mas, de acordo com os resultados preliminares divulgados, é provável que esse alimento possua anticorpos que possam promover a proteção contra a Covid-19. Considera-se que esses anticorpos possuam ações que bloqueiem o coronavírus.

Ao lado de outros pesquisadores, Powell avaliou 15 amostras de leite materno. Elas foram recolhidas de doadoras que haviam testado positivo para Sars-Cov-2, nome atribuído ao novo coronavírus.

Como comparação, foram avaliadas 10 amostras de leite materno coletadas de mulheres que não se infectaram pelo vírus. Nesse caso, os pesquisadores analisaram o alimento doado em período anterior a dezembro de 2019, quando a Covid-19 ainda não havia se apresentado ao mundo.

O que os pesquisadores descobriram nessa pesquisa?

Por meio de uma análise laboratorial detalhada do leite materno obtido depois do início da pandemia, 80% das amostras apresentavam imunoglobulina A (anticorpo IgA). A principal função desse anticorpo é promover proteção ao organismo para barrar a entrada de bactérias ou vírus através das mucosas.

 Todas as testaram positivo para esse anticorpo na forma secretora (sIgA). De acordo com os pesquisadores “os dados, no geral, indicam a existência de uma considerável resposta imune à Sars-Cov-2 dominante em sIgA no leite materno após a infecção na maioria dos indivíduos. Por isso, é extremamente necessária a realização de um estudo mais abrangente dessa resposta”.

Essa pesquisa realizada com o leite materno se assemelha ao processo do uso do plasma sanguíneo. Ela implica na utilização de anticorpos produzidos por outra pessoa como parte do tratamento de indivíduos que não tiveram contato com o vírus.

O leite materno é a solução contra a Covid-19?

É importante que você saiba que a presença dos anticorpos no leite materno não significa necessariamente que esse alimento, em sua forma pura, seria a solução para o combate à Covid-19.

Os pesquisadores do Hospital Monte Sinai sugerem que seja realizada a purificação dos anticorpos presentes no leite. Depois desse processo, eles poderiam ser usados como tratamento da nova doença.

Saiba mais sobre os IgA

De acordo com os pesquisadores, os IgA, também chamados de anticorpos imunoglobulinas A, são responsáveis por garantir uma proteção mais resistente contra vírus e bactérias.

Conforme já compartilhado anteriormente, eles são originados, sobretudo, do sangue. É por isso que a resposta do anticorpo reativo ao Sars-Cov-2 já era esperada. 

É importante enfatizar que a aplicação da resposta imunológica do leite contra o Sars-Cov-2 é, portanto, até o momento, desconhecida. O mais significativo, talvez, seja o fato de que esses anticorpos possam ser purificados para então serem usados no tratamento da Covid-19.

Essa pesquisa é apenas um estudo preliminar e não publicado mas é acolhida por todos nós como uma dose importante de esperança para os próximos momentos. Enquanto os estudiosos fazem o excelente trabalho na busca pelo tratamento da Covid-19, nós seguimos com as medidas de proteção de mães e bebês, seja por meio de informações de qualidade ou pelos atendimentos em nossos ambientes físicos ou virtuais.

Fonte: O Globo
https://oglobo.globo.com/sociedade/coronavirus/leite-materno-pode-ser-usado-no-tratamento-para-covid-19-diz-estudo-1-24423312


Validado por:

Dra. Edinéia Lima – Neonatologista e chefe da UTI Neonatal da Maternidade Pro Matre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *