Bebês não são capazes de identificara objetos: mito ou verdade?

A visão do bebê se desenvolve com o tempo, mas logo que nasce ele é capaz de identificar objetos a curta distância

Mito. A visão do bebê se desenvolve com o passar do tempo, sendo que, após o nascimento, o bebê é capaz de ver objetos dentro de uma faixa entre oito e dez centímetros dos olhos. O recém-nascido também reconhece facilmente as cores preta, branca e vermelha. Com o tempo, seu campo de visão e compreensão de cor também se desenvolve.

Os bebês são curiosos sobre tudo que os rodeiam, desde o nascimento: gostam de olhar para as cores brilhantes no berço e para o rosto de sua mãe, o que costumam fazer repetidamente. “Não é à toa que, entre as primeiras coisas que os bebês aprendem a reconhecer esteja o rosto de sua mãe”, comenta Dr. Paulo Pachi, neonatologista da Pro Matre Paulista.

Notadamente após o 3º mês, quando o campo visual nas três dimensões se amplia rapidamente, é recomendável que se deixe a partir de então, sempre que possível, a criança sentada (com um apoio a 45 graus). Isso permite que ela possa ver o mundo ao seu redor de uma perspectiva mais abrangente, o que fica limitado se o lactente permanecer deitado todo o tempo.

Problemas na visão podem ser detectados ainda no berçário: mito ou verdade?

O teste do olhinho detecta eventuais problemas logo nos primeiros dias de vida

Verdade. Os dias subsequentes ao nascimento do bebê são marcados por vários exames no berçário, local onde a criança fica entre 48 e 72 horas. Após sua liberação do berço aquecido, que geralmente acontece três horas depois do nascimento, e depois de um exame minucioso das condições clínicas, o pediatra faz avaliação dos olhinhos.

“Este exame é o reflexo que vem através das pupilas quando estas são submetidas a um fonte de luz. Este reflexo é muitas vezes observado em fotografias com flash . Para que ocorra o reflexo, a luz tem que passar por todas camadas do olho até sua retina, e voltar dando a coloração vermelha.Se isto não ocorrer, é porque ao longo do trajeto a luz não consegue chegar à retina, o que indica que há problema neste olho”, explica o pediatra Dr. Francisco Dutra.

Para fazer o teste do olhinho, é utilizado um aparelho chamado oftalmoscópio, que verifica se o bebê apresenta algum tipo de tumor ou catarata. Bebês diagnosticados com alguma deficiência normalmente já podem ser operados para correção na própria maternidade, minimizando efeitos de qualquer doença relacionada

O bebê não tem a visão definida logo que nasce: mito ou verdade?

Assim que nasce, o bebê já é capaz de enxergar objetos próximos

Em termos. A visão do recém-nascido se desenvolve com o passar do tempo. Logo após o nascimento, o bebê é capaz de ver objetos dentro de uma faixa entre oito e dez centímetros dos olhos. O recém-nascido também reconhece facilmente as cores preta, branca e vermelha. Com o tempo, seu campo de visão e compreensão de cor também se desenvolvem.

Os bebês são curiosos sobre tudo que os rodeiam, desde o nascimento: gostam de olhar para as cores brilhantes no berço e para o rosto de sua mãe, o que costumam fazer repetidamente. Não é à toa que, entre as primeiras coisas que os bebês aprendem a reconhecer esteja o rosto de sua mãe.

Notadamente após o 3º mês, quando o campo visual nas três dimensões se amplia rapidamente, é recomendável que se deixe a partir de então, sempre que possível, a criança sentada (com um apoio a 45 graus). Isso permite que ela possa ver o mundo ao seu redor de uma perspectiva mais abrangente, o que fica limitado se o lactente permanecer deitado todo o tempo.

Bebês já escutam no útero da mãe: mito ou verdade?

Verdade. “Crianças normais nascem com os cinco sentidos já formatados para levar ao Sistema Nervoso Central as informações percebidas e que tratarão de estabelecer os vínculos com o ambiente que os envolve, permitindo que se explorem as sensações desde então”, afirma Dr. Paulo Pachi, neonatologista da Pro Matre Paulista.

O sentido da audição em uma criança desenvolve-se muito antes do nascimento do bebê. Quando ainda está no útero, o bebê ouve os batimentos cardíacos de sua mãe, e, ao nascer, a criança tem boa compreensão e reconhecimento do som. Nos primeiros meses, perceba como a voz da mãe exerce um efeito calmante para o bebê.

Com o tempo, ele começa a fazer a interpretação das palavras e compreende seus significados. É muito fácil, mesmo para um bebê, compreender o tom do discurso, se de censura ou elogio, por exemplo.

É interessante que o recém-nascido, desde os primeiros dias de vida, passe a ouvir músicas por 1 a 2 horas diárias, para que desenvolva as percepções de melodia, harmonia, ritmo etc.

Lembre-se que o ouvido é uma estrutura delicada, ainda mais no caso de recém-nascidos. Evite expor a criança a ruídos muito altos. Na hora do banho, proteja-o para não entrar água. Limpeza, só com a toalha, nas partes externas da orelha.

O bebê é capaz de explorar seus cinco sentidos: mito ou verdade?

Verdade. Pequeno e parecendo tão frágil, o recém-nascido está longe de ser um “projeto de gente”. Este ser humano que mal saiu da barriga da mãe tem todos os órgãos de um adulto e, logo nos primeiros momentos, já é capaz de explorar seus cinco sentidos. “Crianças normais nascem com os cinco sentidos já formatados para levar ao Sistema Nervoso Central as informações percebidas e que tratarão de estabelecer os vínculos com o ambiente que os envolve, permitindo que se explorem as sensações desde então”, afirma Dr. Paulo Pachi, neonatologista da Pro Matre Paulista.

No momento do nascimento, uma criança pode explorar todos os cinco sentidos: degustar, ouvir, ver, tocar e cheirar, embora eles ainda não estejam totalmente desenvolvidos. Logo nos primeiros instantes de vida, os bebês são capazes de reconhecer o cheiro da própria mãe e de sentir seu toque. Isso fica evidente quando, minutos após o parto, ao serem colocados juntos à pele da mãe, aqueles que estavam chorando deixam de fazê-lo.

Vozes familiares ouvidas na vida fetal podem ser reconhecidas após o nascimento. Esta também é fácil de constatar: basta ver como bebês se acalmam ao escutar canções de ninar cantadas pela mãe ou pelo pai. Há ainda os cheiros, que provocam respostas logo após o nascimento, o que espelha esta habilidade presente logo nos primeiros momentos de vida. Outras sensações levam mais tempo para serem exploradas e seu desenvolvimento vai depender, entre outros fatores, da vivência diária e do conjunto de experiências.

Por isso, fique atento para o fato de que o bebê vai se desenvolver mais rápido e melhor quanto mais for estimulado pela família. Portanto, aproveite todas as oportunidades para ajudar seu bebê a se acostumar a esse novo mundo de sensações.